Profissionais da Educação

10/07/2017

Formação continuada para equipes multidisciplinares

Professores, agentes educacionais, técnicos pedagógicos da Secretaria de Estado da Educação (SEED) e estudantes da rede estadual iniciaram, nesta segunda-feira (10), os encontros da capacitação para a implementação das Leis 10.639/03 e 11.645/08 (inclusão no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da História e Cultura Africana, Afro-Brasileira e Indígena), com o tema “A beleza, a riqueza e a resistência dos povos africanos, afro-brasileiros e indígenas”.

A organização é da Coordenação da Educação das Relações da Diversidade Étnico-Racial, em parceria com a Coordenação de Educação Escolar Indígena, ambas do Departamento da Diversidade da SEED. Cerca de 31 mil pessoas participam dessa política educacional.

O objetivo é aprofundar os conhecimentos sobre as características e realidades positivas alusivas ao continente africano, divulgar e produzir conhecimentos, bem como atitudes, posturas e valores que eduquem cidadãos quanto à pluralidade étnico-racial, além de fomentar o diálogo e a troca de experiências entre técnicos pedagógicos da SEED, Núcleos Regionais de Educação, profissionais da educação e estudantes das escolas de todo o Estado.

Entre os conteúdos abordados estão povos africanos, afro-brasileiros e indígenas, seus direitos e conquistas na educação; África: belezas e riquezas ocultas na história; povos indígenas: saberes e cores; heranças africanas no Brasil; modos próprios de aprendizagem dos indígenas; movimentos de resistência dos africanos e dos afro-brasileiros; arte, cultura e política como representações do povo indígena.

A coordenadora da Educação das Relações da Diversidade Étnico-Racial, Edna Coqueiro, destaca a importância dessa formação: “É por isso que a Secretaria tem um departamento específico para tratar dessas questões, para dar cumprimento à legislação, como a de inclusão no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da História e Cultura Africana, Afro-Brasileira e Indígena, também dar cumprimento às políticas públicas e ações afirmativas e, em última análise, para que lá na ponta, dentro da escola, nossos estudantes aprendam e discutam as relações étnico-raciais. Assim nos mantemos comprometidos com a qualidade de ensino e com a construção de uma sociedade com mais justiça e equidade”, disse.

METODOLOGIA - A carga horária total é de 60 horas, divididas em 24 horas presenciais e 36 horas na modalidade em Educação à Distância (EaD). A carga horária presencial será composta por quatro encontros de quatro horas, com o propósito de realização de debates, organização do trabalho pedagógico e multiplicação dos conhecimentos para a comunidade escolar, além de um encontro de oito horas, onde as equipes multidisciplinares devem organizar um seminário, tratando do tema Consciência Negra. As trinta e seis horas na modalidade EaD serão destinadas à leitura e discussão de textos, realização de questionários e atividades colaborativas (Wiki) para a elaboração de um Plano de Ação, no início da formação e de um Memorial Descritivo, no final, onde serão relatadas as atividades desenvolvidas pela equipe multidisciplinar e toda a comunidade escolar durante o ano letivo.

Confira as datas:

ETAPA EaD
Período: 10/07/2017 a 22/11/2017

ETAPA PRESENCIAL

ENCONTRO I
Período: 10/07/2017 A 22/08/2017

ENCONTRO II
Período: 23/08/2017 a 19/09/2017

ENCONTRO III
Período: 20/09/2017 a 23/10/2017

ENCONTRO IV
Período: 24/10/2017 a 22/11/2017

SEMINÁRIO DA CONSCIÊNCIA NEGRA: MEMÓRIA E VISIBILIDADE
Período: 22/11/2017

Página da formação no Portal Dia a Dia Educação: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=1487
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.