Ensino

12/07/2018

Alunos apresentam soluções urbanas em feira de programação

Estudantes do Ensino Fundamental do Colégio Estadual Cláudio Morelli e da Escola Estadual Aline Picheth, em Curitiba, apresentaram nessa quinta-feira (12), protótipos desenvolvidos com placas de Micro:bit como propostas de soluções para situações que possam acontecer na escola, em casa e na sociedade. Os trabalhos foram apresentados no Departamento de Políticas e Tecnologias Educacionais (DPTE), no bairro Boqueirão.

A exposição teve como objetivo promover a criatividade, potencializar a aprendizagem e o protagonismo juvenil, além de possibilitar que os alunos participem do processo de aprendizagem.

O estudante Gustavo Mendonça Aires, 14 anos, desenvolveu junto com os colegas um sistema que possibilita acompanhar os níveis de água em uma cisterna por meio de sinais sonoros. Segundo o aluno, o projeto garantirá economia à escola com a manutenção correta da cisterna e o uso da água da chuva para serviços de limpeza. “Percebemos que quando chovia, o pátio da escola alagava, então pensamos em um projeto para resolver esse problema e ainda garantir economia à escola com o reaproveitamento dessa água”, explicou.

O experimento permitiu ao aluno e seus colegas desenvolver o protótipo “Microcisterna” com conhecimentos básicos de programação. “Trabalhar com esse tipo de programação foi muito produtivo porque tive a oportunidade de aprofundar os conhecimentos nessa temática de uma maneira mais simples que no computador”, disse.

Danielle Moreira, de 13 anos, desenvolveu junto com os colegas o sistema “Microcar”, que emite sinais sonoros em casos de furtos de veículo. Ao deixar o veículo, o proprietário aciona o Micro:bit que irá emitir sinais sonoros em caso de deslocamento do carro sem a presença do dono. “A funcionalidade do Micro:bit permite desenvolver projetos simples, mas que podem ser úteis para resolver situações que acontecem todos os dias nas grandes cidades”, disse a aluna.

Além da apresentação dos protótipos na mostra, os estudantes gravaram informações sobre seus projetos nos estúdios da TV Paulo Freire, relatando o problema e as soluções desenvolvidas em cada um dos trabalhos. Este material está disponível no endereço https://goo.gl/vMWyST.

APRENDIZADO - A mostra dos trabalhos é resultado dos estudos feitos pelos alunos no laboratório de aprendizagem criativa da Secretaria Estadual da Educação. Antes de iniciar as pesquisas os estudantes aprenderam conceitos de robótica, programação, construção de modelos, pequenos objetos, prototipagem, simulações, entre outros.

“O envolvimento dos professores foi fundamental nesse processo porque introduziram os alunos no processo de metodologia científica. Eles acompanharam o desenvolvimento dos projetos, identificaram os problemas e criaram hipóteses com pesquisas para aprimorar os trabalhos que estão sendo apresentados”, disse o chefe do Departamento de Políticas e Tecnologias Educacionais, Eziquiel Menta.

Os estudantes aplicaram os conceitos utilizando 80 placas de Micro:bit, doadas à Secretaria de Estado da Educação pela Fundação Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras (CERTI). A iniciativa é inédita na rede estadual e permite aos alunos o ingresso no mundo da programação.

O Micro:bit é uma placa controladora com sensores embutidos, com bluetooth, rádio, sensor de temperatura e luminosidade que auxilia o desenvolvimento de protótipos com inteligência artificial.

Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.