Ensino

11/02/2019

Colégio Estadual do Paraná ganha primeira grande obra de reforma e restauro

Maior e mais antigo colégio do Paraná, com 4,5 mil alunos e 172 anos de história, o Colégio Estadual do Paraná (CEP) receberá obras de reforma e restauro em 2019. Os trabalhos contemplam o resgate do paisagismo original e o restauro de portas, janelas, telhado e piso; pintura; reforma de banheiros e das instalações hidráulica e elétrica; modernização de elevadores e acessibilidade. O investimento será de R$ 16,9 milhões.

É a primeira vez que o prédio, inaugurado em 1950, passa por obras desse porte. “Essa reforma vai trazer mais qualidade para toda a comunidade escolar do colégio. O Estadual faz parte do patrimônio cultural e histórico do Paraná e é referência em educação, é nosso dever conservá-lo. E essa reforma vai trazer mais qualidade para toda a comunidade escolar do colégio”, disse o secretário da Educação Renato Feder em visita ao colégio.

Para a diretora do CEP, Tânia Acco, a reforma vai reforçar a identidade da escola junto à comunidade. “O Estadual é um colégio que desenvolve um sentimento de pertencimento na comunidade escolar, tem um valor histórico e afetivo incalculável. Essa obra é também uma forma de demonstrar respeito para com a história da Educação do Paraná e para com nossos alunos e professor, já que as reformas vão garantir mais segurança, qualidade e acessibilidade”, disse.

REORGANIZAÇÃO DAS TURMAS - As obras de reforma e restauro do CEP não vão comprometer o início do ano letivo dos alunos. Durante o período de obras, parte dos estudantes matriculados no Estadual terão aulas em outras quatro escolas localizada na região central de Curitiba com os mesmos professores que atuam no Estadual; o acompanhamento pedagógico e administrativo também será realizado pela mesma equipe.

As turmas serão divididas entre o Colégio Estadual Amâncio Moro (20 turmas), Colégio Estadual Tiradentes (28 turmas), Colégio Estadual Conselheiro Zacarias (11 turmas) e Instituto de Educação do Paraná Erasmo Pilotto (32 turmas). Além disso, 64 turmas continuarão tendo aulas normalmente no CEP.

A reorganização das turmas foi definida pela escola após consulta aos estudantes e familiares. Para isso o colégio definiu uma série de critérios, como a região onde os alunos residem, para facilitar o deslocamento; e a estrutura física dos espaços, para garantir a continuidade dos cursos técnicos e aulas extracurriculares.

“Todos os alunos já estão com suas turmas definidas. A direção do CEP fez um grande esforço e na medida do possível procurou realocar os estudantes nas escolas mais próximas às suas residências e garantir toda a estrutura necessária. A única coisa que muda é o espaço físico. Eles vão continuar tendo o mesmo planejamento pedagógico e os mesmos professores, sem nenhum prejuízo”, explicou Tânia.

VOLTA ÀS AULAS - Na próxima quinta-feira (14), mais de um milhão de alunos retomam a rotina escolar nas 2,1 mil escolas da rede estadual de ensino. Nessa reta final antes do começo do ano letivo, diretores, professores, pedagogos e servidores da Educação trabalham com capacidade máxima para garantir um retorno tranquilo às salas de aula.

“Estamos com uma boa expectativa para o início das aulas, estamos trabalhando muito. A distribuição das aulas para os professores foi feita de forma mais organizada; fizemos uma grande força-tarefa para que as escolas estejam com tudo em ordem para receber os alunos e temos ainda os dias de estudo e planejamento, para os profissionais da Educação organizarem duas aulas e projetos”, disse Feder.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.