Colégio estadual recebe visita do secretário municipal de Educação de São Paulo
04/05/2022 - 13:08

Nesta terça-feira (3), Fernando Padula, secretário municipal de Educação de São Paulo, esteve em Curitiba para conhecer a rede estadual de ensino do Paraná. Ele participou de reuniões com o secretário Renato Feder, com as diretorias de Educação e de Tecnologia e Inovação da Seed-PR, e foi até o Fundepar, instituto responsável por questões relacionadas à infraestrutura dos colégios estaduais.

Concluindo a agenda, Padula visitou o Colégio Estadual Yvone Pimentel. Lá, ele pode interagir com estudantes nas salas de aula (são 1,3 mil matriculados na escola) e trocar experiências com a diretora e a equipe gestora do colégio. Foram abordados assuntos como cursos técnicos (a escola oferece Administração e Desenvolvimento de Sistemas), aulas de robótica, educação especial, o uso do Educatron em sala de aula e a aferição de índices de frequência e aprendizagem.

“Foi um privilégio poder compartilhar com o secretário todos os projetos que a gente tem, mostrar como a nossa escola está bem equipada. Também ouvimos a história deles, de como funciona a educação no município de São Paulo”, conta a diretora, Maira Hara. “Percebi que ficaram impressionados com a organização e com o cuidado que temos na escola.”

O diretor cívico-militar do colégio, sargento Brito, comentou sobre como funciona o modelo implementado na escola, em que a gestão é compartilhada entre a diretora, responsável por assuntos pedagógicos, e ele, responsável por questões de infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança e atividades cívico-militares. “Nos dedicamos a valorizar a disciplina, para que o aluno esteja sempre focado em sala de aula e para que o professor possa otimizar esse tempo, aproveitando cada minuto”, diz o diretor.

Entre março e abril, a rede estadual de ensino do Paraná também recebeu visitas de Claudia Costin, professora na Faculdade de Educação de Harvard e diretora-geral do Centro de Excelência e Inovação em Políticas Educacionais da FGV (Fundação Getúlio Vargas), e de Camila Pereira, diretora da Fundação Lemann.