Estudante de Toledo representa o Paraná na maior feira internacional de Ciências e Engenharia do mundo
19/05/2021 - 14:33

Acontece nos Estados Unidos a Regeneron ISEF 2021, maior feira internacional de Ciências e Engenharia, que este ano é realizada com participações virtuais devido à pandemia. Entre os cerca de 1,8 mil jovens participantes de 65 países e seus 1.480 projetos em 21 categorias, está Ana Carolina Gonçalves Selva, de 17 anos, estudante que se formou ano passado no Colégio Estadual Jardim Porto Alegre, em Toledo, no Oeste do estado. O evento começou no último domingo (16). 

Com o projeto intitulado “Potencial fungitóxico de diferentes extratos vegetais sobre o desenvolvimento in vitro do fitopatógeno causador da antracnose em frutos de bananeira - Fase IV”, Ana Carolina concorre com outros 58 trabalhos, na categoria Microbiologia.

A pesquisa foi iniciada por Ana Carolina ainda no 8º ano do Ensino Fundamental no Clube de Ciências da escola. “Decidi pelo tema porque o meu bisavô tinha uma pequena produção de bananas em casa e havia uma doença que acometia muito as bananas [antracnose]. Ele não tinha condição de passar um agroquímico por causa do preço elevado e dos riscos à Saúde e ao Meio Ambiente; então falei com minha orientadora [Dionéia Schauren] para entender melhor isso e se eu poderia criar alternativas para os pequenos produtores”, conta.

A solução encontrada, então, foi avaliar o potencial de diferentes extratos naturais de baixo custo criados a partir de água e folhas de diferentes plantas aplicadas em fungos dentro de placas de petri em um meio de cultura que permitia o desenvolvimento do organismo. Em busca do resultado mais eficaz, no ano passado a estudante conseguiu chegar a um resultado promissor com um extrato de arruda que, em alta concentração, controlou 70% da colônia de fungos. 

“Foi um resultado muito positivo, porque no desenvolvimento in vitro eu estou dando todas as condições especiais para que ele [o fungo] possa crescer. E no campo não funciona assim. Às vezes vai estar 25°C, outras 10°C, principalmente aqui no Sul, onde a temperatura varia muito, então os resultados no campo podem ser muito mais positivos do que in vitro”, explica.

Esse trabalho de Ana Carolina foi um dos mais premiados na 19ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), realizada no fim de março. Uma das premiações foi a seleção para a Regeneron ISEF 2021, junto com outros 17 trabalhos do País (sendo 9 da Febrace). Além disso, ficou em 1º lugar em Ciências Biológicas, foi o destaque do Paraná, recebeu o prêmio Outstanding Achievement for Ability and Creativity In Vitro Biology (Conquista notável por habilidade e criatividade em biologia in vitro), da Society for in Vitro Biology, além de também ser selecionado para a National Youth Science Camp (NYSC), evento norte-amerciano que acontece virtualmente de 28 de junho a 21 de julho.

Nesta terça-feira (18), a estudante recebeu visitantes no seu estande virtual da ISEF (com vídeo, artigo, fotos de diário de bordo e slides) e respondeu a perguntas sobre a pesquisa. Ela ainda está participando de palestras na mostra promovida pela Society for Science que vai até sábado (21), com a cerimônia de premiação nos dias 26 e 27 deste mês. O total de prêmios chega a US$  5 milhões e cada estudante da delegação brasileira já ganhou um notebook, fone de ouvido, pacote de dados e uma camiseta da feira.

“Apresentei meu projeto em inglês e foi uma troca de experiências maravilhosa; tive contato com pessoas de outros países, conheci outros estudantes que desenvolvem pesquisa. Está sendo maravilhoso representar a cidade de Toledo, o estado do Paraná e também o Brasil.”

A estudante aguarda o vestibular da UFPR, no qual pretende concorrer a uma vaga no curso de Ciências Biológicas (campus Palotina). “Minha irmã e uma colega dela estão dando continuidade à pesquisa no colégio e, quando entrar na universidade, pretendo seguir com mais testes, em novos equipamentos e também testar no campo para avaliar a eficácia”, diz.

In memorian - Além de Ana Carolina, outra estudante do Clube de Ciências do Colégio Estadual Jardim Porto Alegre estava entre os 18 brasileiros selecionados para a ISEF 2021. Amanda Vitória Elgert Becker, então do 2º ano do Ensino Médio, foi uma das nove selecionadas do evento pela Mostratec (Mostra Internacional de Ciência e Tecnologia, feira que concede vagas à ISEF e que acontece anualmente no Rio Grande do Sul), com o trabalho “Desenvolvimento de embalagem biodegradável tipo espuma a partir de diferentes amidos - Fase II”. Amanda, infelizmente, faleceu em um acidente de carro em janeiro deste ano, mas o seu trabalho seguiu inscrito e está concorrendo na categoria Materiais de Ciência

Clube de Ciências - Celeiro de projetos científicos, o Clube de Ciências do CE Jardim Porto Alegre foi criado em 2014 com o intuito de aumentar as atividades práticas na escola e cresceu ao longo dos anos, atraindo o interesse dos estudantes que queriam “se tornar cientistas”. 

Somente no ano passado recebeu mais de 100 premiações em quase 30 eventos nacionais e internacionais com 20 projetos. “No início do ano tivemos um recorde de 70 projetos iniciados, mas a pandemia acabou prejudicando o desenvolvimento e apenas 20 foram concluídos”, diz a coordenadora Dionéia Schauren. Com os dois trabalhos selecionados este ano, o clube chegou à marca de cinco projetos que foram à ISEF.

O Clube, que acolhe estudantes interessados desde o 6º ano, já chegou a ter 150 integrantes e espera em breve abrir uma nova seleção, já que no momento opera com um número reduzido de alunos e limitações impostas pela pandemia.